quarta-feira, março 11, 2009

Amor e Ódio - Filipe Nunes Vicente

XXXVI
Ao contrário do que se diz, estamos a criar gerações de gente rija. Prometemos amor e carinho e depois oferecemos instituições, psicólogos, avós, amas. Desde cedo ficam habituados a horários e adaptações – ontem na mãe, hoje no pai, amanhã no ATL até às nove da noite. Desenvencilham-se bem, os gaiatos. Como raramente têm irmãos, habituaram-se a ter por companhia tamagotchis electrónicos e amigos virtuais.
Esperem pela retribuição.

LXX
O miúdo tem dez anos. Sai de casa às oito, chega às seis, lancha e vai aprender línguas ou futebol. Volta a chegar às oito (mas da noite), toma banho, janta bem, estuda qualquer coisa (três vulgatas optimistas). São 23h. Talvez internet, talvez telemóvel; adeus pai, adeus mãe.
Não brinca, não respira. E amanhã é outro dia.
Como é que daqui vai sair um cidadão é coisa que me transcende.

do blogue Mar Salgado, e do livro, publicado na Quetzal

2 comentários:

FNV disse...

Obrigado pela lembrança.

Graça Areias disse...
Este comentário foi removido pelo autor.